Grupo de Economia da Energia

Os combustíveis fósseis e o aquecimento global no intrincado jogo da política energética

In energia on 08/08/2011 at 00:15

Por Renato Queiroz

Ao formularem e reavaliarem as políticas energéticas, os países enfrentam uma questão: as futuras matrizes energéticas devem refletir as ações que diminuam em ritmo crescente a queima do petróleo, gás natural e carvão, na busca de frear o aumento da concentração de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera. Essa questão vem acompanhada de relatórios de organizações respeitadas, como aqueles do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), advertindo que se tais ações não se concretizarem haverá elevação dos oceanos, secas em determinadas regiões, alterações no clima, etc.

Outro exemplo é o documento publicado pelo Banco Asiático de Desenvolvimento, em 2 de agosto de 2011, “A Ásia 2050”, e cujas conclusões foram divulgadas recentemente pela mídia.  Essa instituição, fundada em 1966 e cujo objetivo é promover o crescimento econômico para países em desenvolvimento na Ásia, alerta, nesse documento, que o impacto das mudanças climáticas está entre os principais entraves, para que a região recupere a posição econômica dominante que tinha antes da Revolução Industrial.

Mas o que parece é que tais advertências não estão encontrando ecos. Mesmo em nossas casas, verificamos que os utensílios plásticos e as fibras sintéticas (ex. poliéster, acrílico e náilon), cujas matérias-primas vêm do petróleo, convivem intimamente conosco, tendo inclusive preços acessíveis. Vale lembrar que as resinas termoplásticas originam peças para computadores, eletroeletrônicos, brinquedos de nossos filhos, embalagens para alimentos, produtos de higiene e por aí vai.

Ficam as perguntas: as políticas energéticas são irracionais por não terem soluções e ações efetivas para substituir esses “combustíveis fósseis”?

Ouve-se que decisões irracionais têm uma forte relação com a racionalidade do poder. E isso explicaria a questão para muitos e o assunto estaria encerrado. Mas cabe lançar algumas reflexões.

Há afirmações e/ou previsões sobre a aproximação do fim da era de um dos “vilões mor” da poluição do mundo: o petróleo. Há expectativas e avaliações de que se aproxima uma era sem petróleo nos próximos 40 ou 50 anos, dependendo da velocidade do consumo.  E o carvão e o gás natural desempenham também papéis negativos nessa possível “conspiração” contra o clima.

Focando inicialmente no petróleo, surge a indagação se esse combustível é realmente considerado pelas sociedades como um vilão. Não custa lembrar que a origem do termo vilão vem da Idade Média, referindo-se a indivíduos que não pertenciam à nobreza.  Assim, considerá-lo como um ator, fora de um mundo nobre, quando sabemos que o petróleo é um dos maiores “business” do mundo, não é um auto-engano? Afinal, o petróleo enriquece muitos países, traz desenvolvimento e conforto a muitos indivíduos e isso sem entrar nos meandros da geopolítica e nos conflitos de dominação. Não é à toa que ele é chamado de “ouro negro”.  Além disso, a união “estável” entre as indústrias do petróleo e de transporte, formando um poder econômico fortíssimo, enriquece ainda mais essas considerações.  Tudo isso já é suficiente para mostrar a complexidade da substituição do petróleo.

Quanto ao gás natural a situação é semelhante. O GN já é considerado como o energético da atualidade e não mais do futuro.  Segundo a agência americana EIA- Energy Information Agency -, o consumo do GN no mundo deve crescer quase 2 % a.a. até 2030, com uma participação nos setores industriais e de geração de energia elétrica de 75 % em 2030. Outro fato relevante é a atual capacidade de produção do gás de xisto nos Estados Unidos que leva a novos paradigmas para indústria dos combustíveis fósseis. E essa nova realidade veio com novas tecnologias (“horizontal drilling” e “hydraulic fracturing”) que oferecem ao mundo a oportunidade de consumir mais combustível fóssil. Além disso, há outras indicações de que esse combustível movimenta o mercado energético, por exemplo: os novos projetos de terminais de GN liquefeito em vários países, o oleoduto Nabucco, que vai interligar a Áustria a grandes reservas de gás no Azerbaijão, as descobertas de enormes depósitos de gás na África e no Irã, etc. Ainda, por fim, os exemplos das descobertas e exploração de petróleo e gás na camada pré-sal no Golfo do México, na costa brasileira e no oeste da África também movimentam e fortalecem as indústrias de combustíveis fósseis, parecendo longe o término dessas indústrias.

O outro combustível fóssil aqui citado, o carvão, tem perspectivas de aumentar seu consumo também. O International Energy Outlook 2010 (IEO 2010) da EIA em seu cenário de referência aponta que consumo mundial de carvão pode aumentar em mais de 50% de 2007-2035, não considerando os potenciais de redução de gases de efeito estufa. País que consome energia vorazmente, os Estados Unidos têm mais reservas de carvão do que qualquer outro país no mundo. E é de amplo conhecimento que a China usa em grande quantidade o carvão mineral, principalmente na geração elétrica e na indústria.  A geração termelétrica a carvão mineral representa hoje quase 40 % da geração do mundo.

Nesse contexto como descabonizar as futuras matrizes energéticas no médio prazo?

Certamente somente outro padrão de desenvolvimento das sociedades, com rupturas tecnológicas e preços aceitáveis pelos agentes envolvidos e consumidores.

Mas um fato a ser complementado nessas reflexões é que soluções energéticas devem ter interface com o indivíduo. O consumidor acostumou-se a usar a energia que lhe dê suporte em seu uso diário sob certo grau de simplicidade. Novas tecnologias que alteram o padrão de utilização da energia é um processo longo e os especialistas em clima sabem disso.

Os formuladores de política energética que têm a responsabilidade de prover energia para as gerações atual e futura estão diante de inúmeras dificuldades para conjugar suas proposições com a mitigação das mudanças climáticas.  As principais barreiras, a meu ver, seriam: a disseminação de novas tecnologias que atendam perfeitamente às necessidades executadas pelas atuais e a preços aceitáveis pela sociedade.  Um dos entraves mais delicados é a aceitação pelos indivíduos de mudanças em seus padrões no uso de novos equipamentos, utensílios, enfim das novas tecnologias dentro do contexto trazido pelas mudanças climáticas.

A proteção do clima demanda uma nova forma de pensar e isso exige processos que têm um tempo de amadurecimento. Mudanças revolucionárias em um sistema que permeia toda a sociedade, como o energético, não emplacam sem atender às condições de viabilidade técnica-econômica, padronização, aceitabilidade e interatividade com os indivíduos.

Assim, soluções tecnológicas energéticas que evitem ou diminuam o impacto causado pelas atividades humanas ao meio ambiente devem ser introduzidas em períodos, etapas em transição, mesmo que não haja a diminuição desejada das emissões de CO2. As metas nessa transição devem buscar uma diminuição gradual ou um aumento mais lento da taxa de aquecimento global.  O processo de apropriação e aceitação (o fator preço tem um peso significativo) dessas novas tecnologias, por parte do indivíduo, dentro de sua cultura é um fator preponderante.

Um exemplo evidente de uma estratégia que, aliás, já vem ocorrendo, é a substituição de combustíveis que emitem mais, por outros combustíveis sustentáveis no setor de transporte. O diesel, com menor teor de enxofre, e o etanol têm aceitação pelos consumidores, pois seus hábitos de uso de veículo estarão mantidos, porém se seus preços forem competitivos.  E no contexto de não alterar significativamente a interface do cidadão com a tecnologia, pode-se listar: as tecnologias de sequestro de carbono, equipamentos industriais e utensílios domésticos mais eficientes, novas construções com aquecimento solar, geração de energia à base de tecnologias limpas de carvão (Clean Coal Technologie), termelétricas à base de biomassa, usinas eólicas e projetos de arquitetura de novas edificações sustentáveis etc.

Em outra fase de maior ruptura, entrariam tecnologias como energia das ondas e marés, fusão nuclear, energia solar espacial, etc., buscando um mundo futuro com menos efeitos nocivos sobre a saúde humana, economia e meio ambiente.

Mas essas etapas ou fases exigem o suporte de verbas públicas, subsídios para empresas desenvolverem pesquisas na introdução de novas tecnologias. O Estado, certamente, terá um papel mais ou menos ativo, dependendo da sociedade. Esse fato deve ficar bem explícito e sem ilusões.  Em situações de crise, no entanto, com decisões de cortes de gastos públicos, as fases serão postergadas. E não é sem motivos que ala conservadora da sociedade americana rejeita subsídios dessa natureza. Vale relembrar que o presidente Obama já abandonou a ideia de uma política mais agressiva em relação à mudança climática e a redução das emissões.

Sabe-se que a tecnologia inovadora tem uma linha de chegada que pode ainda não ser vista.  O horizonte fica, ainda, longe da viabilidade técnica e econômica. Mas esse processo exige, por parte dos governos, planos de metas para a redução de emissões detalhados, inseridos em uma realidade com monitoramentos e atualizações periódicas para um acompanhamento pela sociedade. E as expectativas das demandas “verdes” poderão ser austeras, mas dentro também de uma realidade, para que o processo caminhe. Afinal todas as particularidades que o tema exige e que se tentou apontar nessa postagem têm que ser reconhecidas pelos atores.

Trata-se de um contexto extraordinariamente complexo com dezenas de variáveis em que muitas são dependentes umas das outras.  É um campeonato com jogos decisivos em que “players” atuam sob pressões competitivas e cujos resultados parciais já afetam a todos os indivíduos do planeta. Quando e como será o resultado final é difícil de se prever.

Leia outros textos de Renato Queiroz no Blog Infopetro

Para ver/fazer comentários sobre esta postagem, clique no retângulo vermelho abaixo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s