Grupo de Economia da Energia

O futuro dos biocombustíveis

In biocombustíveis on 29/03/2010 at 01:00

Por José Vitor Bomtempo

O saudoso prof Keith Pavitt, um dos grandes iniciadores dos estudos em economia da inovação, gostava de dizer aos seus orientandos que o objetivo de uma pesquisa não é necessariamente responder as perguntas, mas torná-las melhores ou “more answerable” como dizia ele. Gostaria de começar este blog deixando algumas perguntas que podemos nos fazer ao pensarmos no futuro dos biocombustíveis e da indústria baseada em matérias primas renováveis. Tentaremos trazer elementos e lançar discussões para, como queria o mestre Pavitt, tornar essas perguntas mais claras, melhor formuladas, se possível. Afinal, se para começar estamos citando os mestres, como dizia Inácio Rangel, ninguém resolve problemas que não consegue formular com clareza. Então, esse é o esforço inicial para o qual o blog vai tentar contribuir: melhorar as nossas perguntas sobre o futuro dos biocombustiveis.

Duas notícias que mereceram destaque nas últimas semanas podem nos ajudar a pensar sobre o futuro da indústria de biocombustiveis e da posição que o Brasil pode ter nessa indústria. São dois eventos muito diferentes na sua natureza: o anúncio de um possível breakthrough na hidrólise enzimática pela Novozymes e a formação da joint venture Shell Cosan.

Em 15 de fevereiro, a Novozymes, empresa de destaque na indústria de enzimas, anunciou que tinha chegado a uma redução no custo da enzima para produção do etanol de materiais celulósicos, levando-o para a faixa de 50 cents/ galão de etanol. Esse resultado permite atingir a famosa paridade com o etanol de milho americano – na faixa de US$ 2 / galão – que ainda é bem mais caro que o etanol brasileiro. Mas o que chama a atenção é a trajetória do progresso tecnológico. Não se deve esquecer que no final dos anos 90 o DOE “deu” US$ 15 milhões para a Novozymes tentar  reduzir em 10 vezes o custo da enzima celulase. Isso foi feito em 3 ou 4 anos. Agora, é sobre essa base que a Novozymes anuncia ter conseguido uma redução adicional.

A segunda notícia é a do anúncio da joint venture entre Cosan e Shell, no começo de fevereiro, que criaria um grande negócio de produção e comercialização de etanol. Detalhes e repercussões podem ser vistas aqui.

O negócio, além de sua dimensão em termos de mercado, representa uma mudança interessante da Shell na sua atuação em biocombustíveis, tornando-se uma produtora importante de etanol. Até então a Shell tinha participações em 5 negócios diferentes de biocombustíveis que exploravam 5 plataformas tecnológicas  diferentes, todas vinculadas aos chamados “biocombustíveis avançados” ou biocombustíveis de 2ª ou 3ª geração. Com o movimento, a Shell faz uma entrada séria na produção de etanol. Ao mesmo tempo a Cosan ganha porte internacional e incorpora na joint-venture parte dos ativos mais inovadores da Shell: Iogen e Virent.

De formas diferentes, os dois eventos – aos quais certamente voltaremos mais tarde – sublinham as grandes linhas do processo de formação da indústria de biocombustíveis do futuro. E aí chegamos às perguntas que gostaríamos que discutir para torná-las melhores e mais “respondíveis”.

A premissa de base é que a indústria de biocombustíveis do futuro será bem diferente da que conhecemos hoje. Não se limitará aos produtos atuais – etanol e biodiesel, nem aos processos e matérias primas de hoje. Na formação dessa indústria, um grande número de alternativas tecnológicas e de novos modelos de negócios têm sido testadas. Como será o amanhã? Que papel o Brasil poderá ter nessa indústria? A posição competitiva em etanol garante uma posição de liderança na indústria de exploração integrada das biomassas do futuro?

Como estamos nos preparando para isso nas estratégias empresariais? Além das alianças e joint ventures, que esforços tecnológicos nossas empresas estão empreendendo? Que papel pretendem ter no futuro os atuais produtores de etanol? E a indústria química e petroquímica brasileira? E a PETROBRAS?

Que políticas de ciência, tecnologia e inovação estão sendo colocadas em prática pelo MCT? São voltadas para o futuro da indústria e a criação de vantagens competitivas nas novas bases que estão sendo desenvolvidas? Ou são voltadas para a preservação das vantagens competitivas atuais, baseadas na bem sucedida indústria brasileira do etanol?

Acho que temos perguntas demais para começar. Esperamos contribuir para formulá-las melhor nos próximos posts. Até lá.

Leia outros textos de José Vitor Bomtempo no Blog Infopetro

  1. Gostei do novo formato!! Parabens!!!
    e quanto ao artigo,vamos ver o que nos espera nesse mercado de biocombustiveis. Gostei de saber dessas duas novidades,em relacao a Shell e ao novo processo de hidrolise.É esperar para ver!!

  2. Perguntas demais, é verdade, mas muito relevantes. Cada uma delas caberia em, pelo menos, um workshop. O texto ficou bastante direto e provocativo, o que é ótimo, mas como vocês tratarão o processo de prospectar e classificar/organizar as respostas?

    • Ao longo da publicação das postagens sobre este tema, esperamos que a discussão vá se desenvolvendo de forma a estruturar as principais questões e suas respectivas soluções.

  3. […] primeiro post na nossa série sobre o futuro dos biocombustíveis, partimos de uma premissa clara: a indústria […]

  4. […] de Economia da Energia da Universidade Federal do Rio de Janeiro) Veja o primeiro artigo do autor: O futuro dos biocombustíveis I outras notíciasUm guia sob medida para quem quer investir em PCHs.Mais espaço para recursos […]

  5. […] O futuro dos biocombustíveis ▶ Sem respostas /* 0) { jQuery('#comments').show('', change_location()); jQuery('#showcomments a .closed').css('display', 'none'); jQuery('#showcomments a .open').css('display', 'inline'); return true; } else { jQuery('#comments').hide(''); jQuery('#showcomments a .closed').css('display', 'inline'); jQuery('#showcomments a .open').css('display', 'none'); return false; } } jQuery('#showcomments a').click(function(){ if(jQuery('#comments').css('display') == 'none') { self.location.href = '#comments'; check_location(); } else { check_location('hide'); } }); function change_location() { self.location.href = '#comments'; } }); /* ]]> */ Clique aqui para cancelar a resposta. […]

  6. […] O futuro dos biocombustíveis ▶ Sem respostas /* 0) { jQuery('#comments').show('', change_location()); jQuery('#showcomments a .closed').css('display', 'none'); jQuery('#showcomments a .open').css('display', 'inline'); return true; } else { jQuery('#comments').hide(''); jQuery('#showcomments a .closed').css('display', 'inline'); jQuery('#showcomments a .open').css('display', 'none'); return false; } } jQuery('#showcomments a').click(function(){ if(jQuery('#comments').css('display') == 'none') { self.location.href = '#comments'; check_location(); } else { check_location('hide'); } }); function change_location() { self.location.href = '#comments'; } }); /* ]]> */ Clique aqui para cancelar a resposta. […]

  7. […] 2011 dentro da perspectiva do futuro dos biocombustíveis e da bioindústria? O ponto de partida do primeiro artigo desta série, publicado em 29 de março de 2010, foi bem enfático: “a indústria de […]

  8. […] 2011 dentro da perspectiva do futuro dos biocombustíveis e da bioindústria? O ponto de partida do primeiro artigo desta série, publicado em 29 de março de 2010, foi bem enfático: “a indústria de […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s