Grupo de Economia da Energia

Futuros desafios para o setor elétrico: a distribuição

In energia elétrica, energia solar on 24/06/2013 at 00:40

Por Clarice Ferraz

clarice062013O relatório Síntese do Balanço Energético Nacional (BEN, 2013), disponibilizado recentemente pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) revela que o Brasil, assim com a maioria dos países desenvolvidos, tem caminhado para uma maior eletrificação de sua matriz energética. O gráfico abaixo, extraído do Relatório, ilustra a evolução.

Gráfico 1: Evolução do consumo de eletricidade no Brasil em 2012

clarice062013a

Fonte: EPE (2013:30)

Tal “eletrificação” é liderada pelo consumo dos setores industrial e residencial, ambos através da adoção de mais processos automatizados e de novos aparelhos e processos movidos à eletricidade. Ao se modernizarem, essa tendência tende a se acelerar como veremos adiante. Assim, o modo como iremos produzir e consumir eletricidade no futuro irá influenciar fortemente o grau de competitividade de nossa economia, e os impactos ambientais associados ao setor energético. As características de nossa matriz elétrica se tornam cada vez mais relevantes na formulação do planejamento energético do País.

Nos países mais desenvolvidos o tema tem recebido ainda mais destaque e o impacto sobre as empresas distribuidoras de eletricidade começa a ser visto como um possível vetor de ruptura da tradicional estrutura do setor elétrico, tal como o conhecemos atualmente. O World Energy Outlook 2012, também chama atenção para tal fenômeno, entre 2000 e 2012, o consumo de eletricidade aumentou 40% , apesar da desaceleração sentida à partir da crise econômica de 2009 (IEA, 2012:180).

Nos países em que esse fenômeno já havia recebido destaque, como a Alemanha, o governo adotou uma política energética elaborada para reduzir os impactos ambientais associados à geração de eletricidade, que é uma das principais fontes de emissões poluentes associadas às mudanças climáticas e às desastrosas consequências que lhe são atribuídas. Com essa finalidade, dois principais eixos foram estimulados: a adoção de medidas de economia de energia e eficiência energética e a geração de eletricidade a partir de novas fontes renováveis de energia, recebendo importantes subsídios. No setor de transportes, em ausência de combustível alternativo à gasolina satisfatório, foi estimulada à adoção do carro elétrico.

O generoso pacote de subsídios, já discutidos em postagem anterior, estimulou fortemente a microgeração de eletricidade distribuída, sobretudo de origem fotovoltaica. Diversos outros programas se basearam no exemplo alemão e promoveram subsídios para a instalação dos painéis fotovoltaicos residenciais.

A microgeração distribuída foi estimulada por ser vetor de maior eficiência energética e facilitadora da inserção de da geração de eletricidade a partir de novas fontes renováveis. Com efeito, ao se produzir eletricidade no próprio local de consumo, se evitam todas as perdas que ocorrem nas linhas de transporte e de distribuição. Essas perdas não devem ser negligenciadas, sobretudo no Brasil onde foram estimadas em 15.9 % em 2012 no (EPE 2013: 30). Além disso, há diversos outros benefícios para o setor elétrico, como exposto na Nota Técnica nº 0025/2011 da ANEEL:

  • A postergação de investimentos em expansão nos sistemas de distribuição e transmissão;
  • O baixo impacto ambiental;
  • O menor tempo de implantação;
  • A redução no carregamento das redes;
  • A redução das perdas;
  • A melhoria do nível de tensão da rede no período de carga pesada;
  • O provimento de serviços auxiliares, como a geração de energia reativa;
  • Diversificação da matriz energética.

O princípio da revolução? 

Um olhar menos atento pode enxergar apenas mudanças tecnológicas positivas para o setor elétrico. Afinal, falamos apenas de maior eficiência energética e maior capacidade de geração de origem renovável, mesmo que caracterizada por forte intermitência. Sua disseminação foi possível graças à modernização das redes, sobretudo à introdução de medidores e redes “inteligentes”. Ambas promovem uma melhor gestão da energia pelo usuários e permitem que o até então consumidor possa igualmente fornecer à rede a eletricidade que for gerada e não consumida em seu local de geração. A rede de distribuição deixa de ser unidirecional e passa a ser bidirecional, devendo portanto possuir medidores e capacidade suficiente para gerir a carga que passa em ambos os sentidos. Temos portanto um sistema mais complexo, e caro, em que a rede se torna ainda mais essencial ao ser o elemento chave que faz o balanço e garante a segurança energética de milhares de pequenas unidades consumidoras/produtoras.

O problema portanto se encontra do lado das distribuidoras. Essas mudanças afetam profundamente seu negócio: reduzem sua venda de eletricidade.

Além de ter sua base de remuneração encolhida, a empresa de distribuição precisa zelar pela integridade da rede e pelo equilíbrio de seu mercado. Quanto mais disseminada for a adoção da microgeração distribuída, menor se torna a base de remuneração dos custos de manutenção da rede e, consequentemente, mais cara a eletricidade fornecida por ela. Quanto mais cara for a eletricidade fornecida pela distribuidora mais competitivas serão as fontes de geração distribuída, sobretudo em presença de subsídios. Desse modo, se instaura uma dinâmica em que a distribuidora se encontra em situação cada vez mais difícil, assim como os consumidores que dependerem exclusivamente dela.

Nos Estados Unidos, a soma desses fatores já é apontada como uma fonte de ruptura para o setor. Relatório publicado pelo Edison Electric Institute, chama atenção para o problema pois além dos problemas gerados agora, a redução do fluxo de caixa das distribuidoras as tornará menos atrativas para receber investimentos: “the industry and its stakeholders must proactively assess the impacts and alternatives available to address disruptive challenges in a timely manner” (EEI, 2013:1). O relatório compara a atual situação das empresas de distribuição de eletricidade às empresas de telefonia fixa que faliram com a chegada da telefonia móvel e desconexão do cabo. O esquema abaixo ilustra a dinâmica que as distribuidoras tem que enfrentar.

Figura 1: Impactos da evolução do setor elétrico sobre as empresas de distribuição

clarice062013b

Nota: DER significa fonte de geração distribuída

Fonte: Edison Electric Institute, 2013:12

Ao depender mais da rede, o setor elétrico se aproxima do setor de serviços  e precisa adaptar seu modelo de negócios para se compatibilizar com as recentes evoluções tecnológicas e não ser subjugado por elas. A distribuidora é um agente essencial nesse processo, pois é ela quem possui a expertise da gestão da rede. Enquanto ela não for associada a esse processo, é quase natural que ela não o facilite  (vide atrasos referentes à questão no Brasil).

A evolução em curso é inexorável e é positiva pois promove um uso mais eficiente da eletricidade e a redução das emissões poluentes associadas à sua geração. Entretanto, é preciso que as adaptações regulatórias e a as bases de remuneração da rede sejam rediscutidas para que o setor elétrico continue a cumprir sua função de base: a segurança de abastecimento a preços acessíveis.

Referências

Agência Nacional de Energia Elétrica, 2011, Nota Técnica nº 0025/2011. Disponível em http://www.aneel.gov.br/aplicacoes/audiencia/arquivo/2011/042/documento/nota_tecnica_0025_gd.pdf

Edison Electric Institute, 2013, “Disruptive Challenges: Financial Implications and Strategic Responses to a Changing Retail Electric Business”. Disponível em http://www.eei.org/ourissues/finance/Documents/disruptivechallenges.pdf

Empresa de Pesquisa Energética, 2013, Balanço Energético Nacional 2013 – Ano base 2012: Relatório Síntese. Disponível em https://ben.epe.gov.br/downloads/S%C3%ADntese%20do%20Relat%C3%B3rio%20Final_2013_Web.pdf

Ferraz, Clarice,  “Integração de energia solar fotovoltaica em larga escala: a experiência alemã”, Infopetro. Disponível em https://infopetro.wordpress.com/2012/07/23/integracao-de-energia-solar-fotovoltaica-em-larga-escala-a-experiencia-alema/

International Energy Agency (2012), World Energy Outlook 2012.

Leia outros textos de Clarice Ferraz no Blog Infopetro

Para ver/fazer comentários sobre esta postagem, clique no retângulo vermelho abaixo.

  1. Gostei do artigo! E bem interessante essa comparaçao com Telecom que faz o EEI.
    Uma questao que se coloca também para as distribuidoras (que é objeto de estudo do MIT [2011] “The Future of the Electric Grid”) é o subsidio implicito à geraçao distribuida, pois ao se conectarem à rede pagariam pouco ou mesmo nada pelo uso dela.
    Outra questao é a da possessao dos medidores, se estes devem ser do consumidores ou das distribuidoras… o que pode alterar totalmente a forma de aquisiçao do equipamento.
    Mas como ja colocado, tudo depende da regulaçao!

Deixe uma resposta para Felipe Botelho Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s