Grupo de Economia da Energia

Posts Tagged ‘segurança do abastecimento’

Grupo Eletrobras: estratégias às escuras

In energia elétrica on 09/07/2019 at 14:32

Por Renato Queiroz

Todo país busca elaborar, em um processo contínuo, estratégias para assegurar seu abastecimento energético pois é sabido que as sociedades modernas têm como imprescindível o acesso aos serviços de energia. A segurança energética é cada vez mais um fator prioritário na agenda política dos países.

No entanto, medidas efetivas para afastar da sociedade o risco da falta de energia ou para diminuir a instabilidade da falta de acesso às fontes energéticas exigem a identificação e aplicação de ações de médio e longo prazos, de modo a permitir que o Estado tenha um planejamento de cunho estratégico. Prover energia exige um processo complexo, envolvendo interesses políticos, econômicos, sociais e geopolíticos. De certo não faz sentido formular uma política nacional, em particular a energética, sem uma definição clara e consequente de prioridades, para assegurar que as linhas de ações setoriais e globais sejam coerentes e complementares.

No contexto das políticas energéticas, os países buscam suprir suas sociedades de energia a preços estáveis sem riscos de descontinuidade e de dependência externa. De fato, as nações, através de seus diversos governos, buscam continuamente uma situação de independência política, econômica. Contudo, se tal nação não estiver sob um cenário de segurança energética, a vulnerabilidade política aumenta. Afinal a energia ocupa um papel de destaque nas sociedades em função da sua forte relação com a economia, a tecnologia, o meio ambiente e com o quadro social. Continue lendo »

Os condicionantes da política energética do setor de petróleo nas últimas décadas

In energia, petróleo on 17/04/2019 at 11:13

Por Marcelo Colomer e Helder Queiroz

marcelo042019Desde a Cúpula da Terra do Rio em 1992, as preocupações sobre o aquecimento global e suas consequências sobre as mudanças climáticas vêm norteando as políticas econômicas dos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Posteriormente, novos acordos (Protocolo de Kyoto em 1995, acordo de Paris em 2015 entre outros) ratificaram os compromissos assumidos pelos países partes em direção a uma trajetória de desenvolvimento sustentável, colocando os setores de energia no centro do processo de “descarbonização” da economia.

Dentro desse contexto, o termo transição energética passou a ser amplamente utilizado para referenciar o processo de mudança da matriz energética mundial em direção às fontes renováveis e de baixo teor de carbono. No entanto, quando analisamos historicamente a trajetória de desenvolvimento do setor de energia em alguns países, percebemos que o conceito de transição energética apresenta um espectro mais amplo de transformações sociais, políticas, tecnológicas e econômicas não sendo um fenômeno tão recente quanto a literatura sobre mudanças climáticas tenta passar. Continue lendo »

Geopolítica e Vulnerabilidade Energética: papel do GNL para a garantia do abastecimento de gás natural na Europa

In gás natural, GNL on 24/04/2018 at 00:15

Por Helder Queiroz e Enrique Melo Quintslr (*)

helder042018Tal como já destacado em diferentes textos publicados no Blog Infopetro, os principais objetivos de política energética, estabelecidos por diferentes países, se concentram nos seguintes aspectos fortemente interdependentes: primeiro, as preocupações com a segurança de abastecimento, envolvendo a valorização de recursos energéticos nacionais (evidentemente quando há uma dotação natural de recursos) e a universalização do acesso à energia; e segundo, observa-se uma preocupação crescente com as questões inerentes à sustentabilidade ambiental, eficiência energética e novas tecnologias de produção e uso de energia (PINTO JR e alli, 2016).

No que tange à segurança de abastecimento, desde o início do século XXI, esse permanece como um fator dos mais críticos devido às constantes alterações do patamar de preços do petróleo e a persistência da instabilidade geopolítica nas regiões produtoras. Tal aspecto justifica, por um lado, a orientação de políticas apontando a necessidade da diversificação da matriz energética no longo prazo. Por outro, ele envolve escolhas políticas que definem os tipos de fontes utilizadas e as maneiras de obter essas fontes diante da instabilidade e volatilidade de preços dos mercados spot nos mercados de petróleo e, a reboque, dos mercados de gás natural, os quais experimentaram importantes mudanças estruturais decorrente do aumento da produção do shale gas nos EUA. Continue lendo »