Grupo de Economia da Energia

Posts Tagged ‘Shell’

Corrupção na Indústria de Petróleo: Um caso isolado ou fenômeno estrutural

In petróleo on 18/04/2017 at 13:54

Por Marcelo Colomer

“…o escândalo da Tampa do Bule como um todo – desde Fall, Doheny e Sinclair até Stewart – se encarregou de inculcar na mente do público uma imagem nefanda do poder e da corrupção do dinheiro do petróleo exatamente quando a Standard Oil Trust havia cessado de fazê-lo” (Yergin, D. 2010 pp. 243)

A passagem acima refere-se ao maior escândalo de corrupção envolvendo a indústria de petróleo norte-americana que ficou conhecido como o caso da Tampa do Bule[1]. Na década de 1920, os campos petrolíferos destinados a serem reservas estratégicas da Marinha americana foram arrendados para duas empresas privadas após uma série de manobras políticas pouco transparentes e, no mínimo, suspeitas.

A transação acima ocorreu durante o período em que Albert Fall foi Secretário do Interior dos EUA. Após sucessivas manobras políticas, Fall conseguiu transferir o controle das reservas estratégicas do Ministério da Marinha[2] para o Departamento do Interior. Posteriormente, o então secretário do interior arrendou as reservas da Armada, por meio de acordos extremamente favoráveis, a Harry Sinclair e Edward Doheny. Leia o resto deste post »

The future of biofuels IX: The diversity of strategies and future of bio-economy – by comparing Shell, Braskem and Amyris

In biofuels on 05/09/2011 at 00:30

By José Vitor Bomtempo

In previous articles, we have studied the oil companies’ biofuels strategies. In particular, we discussed the Shell, BP, Total and Petrobras’ activities. The main conclusion from these analyzes is a diversity of view and approach to “biofuels” business.

In this article we will extend the discussion about the diversity of strategies that can be observed in the development of bio-economy, by comparing Shell, Braskem and Amyris. This comparison illustrates the remarkable variety of strategies for innovation and entrepreneurial initiatives that indicates the construction of the bio-products industry.

There are many ongoing projects worldwide involving technology-based start-up alongside companies established in different industries such as oil & gas, chemical, biotechnology, and agribusiness. How have companies been building their history in the new industry? Are these strategies converging or diverging? Leia o resto deste post »

O futuro dos biocombustiveis IX: A diversidade de estratégias e o futuro da bioeconomia – comparando Shell, Braskem e Amyris

In biocombustíveis on 05/09/2011 at 00:10

Por José Vitor Bomtempo (*)

Em postagens anteriores, exploramos as estratégias das empresas de petróleo em biocombustíveis. Em particular, discutimos os movimentos de Shell, BP, Petrobras e Total. A principal conclusão a que se pode chegar a partir dessas análises é a de uma diversidade de visão e de abordagem do negócio “biocombustíveis”.

Na postagem de hoje vamos estender a discussão sobre a diversidade de estratégias que podem ser observadas no desenvolvimento da bioeconomia fazendo uma comparação entre Shell, Braskem e Amyris. Essa comparação ilustra a notável variedade de estratégias de inovação e de iniciativas empreendedoras que marca a construção da indústria de bioprodutos.

São centenas de projetos em andamento pelo mundo afora envolvendo start-ups de base tecnológica ao lado de empresas estabelecidas em diferentes indústrias tais como petróleo e gás, química, biotecnologia, e  agroindústria. Como as empresas estão construindo suas trajetórias na nova indústria? Essas estratégias são convergentes ou divergentes?

Procurar uma tipologia das estratégias e iniciativas pode ajudar na compreensão do processo em curso. Esta postagem é uma tentativa inicial de buscar elementos para a construção dessa tipologia. Leia o resto deste post »

The future of biofuels VIII: The contrasting strategies of major oil companies and the future of the bio-economy

In biofuels on 04/07/2011 at 00:30

By José Vitor Bomtempo

The recent Ethanol Summit organized by UNICA in São Paulo, on June 6th and 7th, it seemed to be an interesting event for the line of reasoning that we have developed this series of articles. In some way, the Ethanol Summit addressed clearly – for the first time, I guess, in a relevant event in Brazil – the issue of industry of the future. Of course, many subjects of specific interest for Brazilian ethanol industry were highlighted and addressed in most, but some plenary sessions and meetings on Future and Technology addressed issues not so urgent.

Due to the Ethanol Summit, we propose a change in this blog that seems to be consistent with what we have developed: no more talk about biofuels of the future but we will talk about he new industry which includes in addition to biofuels, bio-products, biorefining and other bios that may arise. How should we name this industry?   As initial suggestion we have chosen bio-economy, which seems pretty comprehensive. Thus, we can say that the Ethanol Summit has provided a discussion of a number of questions related to the development of bio-economy worldwide and particularly in Brazil. In fact, all the videos of conference and plenary sessions can be watched here.

We will highlight in this article the plenary session O futuro do petróleo e o papel dos biocombustíveis (The future of oil and role of biofuels). The plenary session brought together executives from four major oil companies on biofuels: BP, Petrobras, Shell and Total. Leia o resto deste post »

O futuro dos biocombustiveis VIII: Os contrastes das estratégias das grandes empresas de petróleo e o futuro da bioeconomia

In biocombustíveis on 04/07/2011 at 00:26

Por José Vitor Bomtempo

O recente Ethanol Summit organizado pela UNICA, em São Paulo, nos dias 6 e 7 de junho, nos pareceu um evento interessante para a linha de raciocínio que temos desenvolvido nesta série de artigos. De certa forma, o Ethanol Summit colocou com clareza – pela primeira vez, me parece, num evento desse peso no Brasil – a questão da indústria do futuro. Claro que muitos assuntos de interesse específico da indústria brasileira de etanol foram destacados e preencheram boa parte da pauta, mas algumas plenárias e as mesas sobre Futuro e Tecnologia se dedicaram a questões não tão imediatas.

Aproveitando a deixa do Ethanol Summit, propomos uma mudança neste blog que nos parece coerente com o que temos desenvolvido: não falaremos mais de biocombustíveis do futuro mas da nova indústria que inclui além de biocombustíveis, bioenergia, bioprodutos, biorrefino e outros bios que surjam. Que nome dar a essa indústria?   Ficamos, como sugestão inicial, com bioeconomia, que nos parece bastante abrangente. Assim, podemos dizer que o Ethanol Summit nos proporcionou a discussão de uma série de questões ligadas ao desenvolvimento da bioeconomia no mundo e no Brasil em particular. Aliás, todos os vídeos das plenárias e conferências podem ser assistidos aqui.

Vamos destacar nesta postagem a plenária que teve por titulo O futuro do petróleo e o papel dos biocombustíveis. A plenária reuniu executivos das quatro empresas de petróleo mais importantes em biocombustíveis: BP, Petrobras, Shell e Total. Leia o resto deste post »

The future of biofuels V: Shell and BP’s strategies

In biofuels on 25/10/2010 at 00:30

By José Vitor Bomtempo

In previous article, we discussed the nature of competition and innovation in biofuels. In the classification proposed, the essential issue was a basic distinction between competition within the existing industrial structure – ethanol and biodiesel – and the competition in what we call biofuels and bioproducts industry of the future – new biofuels and bioproducts. In the first case, we have typical competition based on positioning according to Porter. A competitor becomes competitive upon finding a favorable position within the existing industrial structure.  In the second case, the industrial structure is not established yet, and the basis of competition is Teece capabilities building that seek make feasible opportunities for innovation and shaping the new industrial structure.

It is also important to note that the first-generation biofuels industry conversion technologies are available to investors from accessible external sources such as engineering/technology companies and equipment manufacturers. In the biofuels industry of the future – based on innovation in new feedstocks, new processes, new products – a fundamental change is to move the source of technology into the companies; thus, the technology tends to be much more advanced in bioproducts of the future and, therefore, owned. Leia o resto deste post »

O futuro dos biocombustíveis V: as estratégias de Shell e BP

In biocombustíveis on 25/10/2010 at 00:15

Por José Vitor Bomtempo

Na postagem anterior, discutimos a natureza da competição e da inovação em biocombustíveis. Na classificação que propusemos, o ponto fundamental era a distinção entre a competição dentro da estrutura industrial existente – etanol e biodiesel – e a competição no que denominamos indústria de biocombustíveis e bioprodutos do futuro – novos biocombustíveis e bioprodutos. No primeiro caso, temos tipicamente uma competição baseada no posicionamento à la Porter. Um competidor se torna competitivo ao encontrar uma posição favorável dentro da estrutura industrial vigente.  No segundo, a estrutura industrial ainda não está estabelecida e a base da competição é a construção de capacitações (capabilities building à la Teece) que buscam viabilizar as oportunidades de inovação e moldar a nova estrutura industrial.

É importante ainda notar que na indústria de biocombustíveis de primeira geração as tecnologias de conversão estão disponíveis para os investidores a partir de fontes externas acessíveis como as empresas de engenharia/tecnologia e fabricantes de equipamento. Na indústria de biocombustíveis do futuro – baseada em inovação em novas matérias primas, novos processos, novos produtos – uma mudança fundamental é o deslocamento da fonte de tecnologia para dentro das empresas, isto, a tecnologia tende a ser muito mais sofisticada nos combustíveis do futuro e conseqüentemente proprietária. Leia o resto deste post »