Grupo de Economia da Energia

Reformas no mercado de GLP e seus riscos

In GLP on 12/11/2019 at 11:24

Por Helder Queiroz

O Governo Brasileiro tem se empenhado em sinalizar o objetivo de baratear o custo da energia, destacando os seus impactos potencialmente positivos sobre a renda das famílias e a competitividade do setor industrial.

É inegável o mérito do objetivo. Para a sua consecução, no caso da indústria de óleo e gás, a agenda de propostas envolve a busca de maior competição que seria fruto de duas grandes etapas de reformas. Por um lado, as reformas estruturais através da redução do poder de mercado da Petrobras (venda de ativos no refino, na distribuição de derivados e na infraestrutura de transporte) permitiriam a consequente e esperada entrada de um número maior de agentes econômicos. Por outro lado, as reformas regulatórias criariam um novo regime de incentivos e um novo padrão de concorrência. Estes dois movimentos de reforma não estão dissociados, e a qualidade de sua implementação terá grande influência no resultado final.

O Leilão A-6 e o papel das térmicas

In energia elétrica, gás natural on 11/11/2019 at 00:15

Neste Podcast GEE Energia, Renato Queiroz e Luciano Losekann conversam sobre os resultados do leilão A-6 e o papel das térmicas na matriz elétrica brasileira.

Para ouvir, clique na imagem

O GEE Energia pode ser acessado:

No Google podcast: clique aqui.

No Anchor, clique aqui

No Spotify, clique aqui

No Deezer, clique aqui.

No Breaker: clique aqui

No RadioPublic: clique aqui.

No YouTube: clique aqui

Capital Petróleo: A Saga da indústria entre guerras, crises e ciclos – Uma resenha

In petróleo on 07/11/2019 at 11:34

61fy498dk7l-e1572927327766Capital Petróleo: A Saga da indústria entre guerras, crises e ciclos. Luís Eduardo Duque Dutra. Rio de Janeiro: Editora Garamond Ltda, 2019.

Estabelecer a relação entre a mais que centenária indústria petrolífera e os altos e baixos da economia não é tarefa simples. Fazê-lo relembrando as contribuições das diferentes correntes do pensamento que, ao absorverem e refletirem a realidade em mutação, ampliam o escopo da análise sem cessar, foi a linha-mestra seguida em Capital Petróleo. A divisão e especialização do trabalho, a renda ricardiana, a luta pela apropriação do excedente, a instabilidade inerente dos oligopólios, o lucro supranormal do monopólio, a queda da taxa de lucro e a concentração, os custos de transação e sociais, a seleção adversa e o risco moral, a deficiência crônica da demanda, a inflação e a deflação… Noções de macro e microeconomia são destiladas ao longo do texto. O que permite aprofundar gradualmente a análise, ganhar uma compreensão mais abrangente, consistente e coerente, bem de acordo com a crescente complexidade do sistema de produção e a velocidade das transformações, acelerada depois que o petróleo substituiu o carvão.